Ser Essência - Desenvolvimento humano e terapias integradas

Blog do autoconhecimento, consciência, saúde mental e emocional

Eu real x Eu ideal e o sofrimento humano

Muitos de nós durante nossa jornada lidamos com diversos obstáculos e desafios para chegarmos onde realmente desejamos chegar. Conforme vamos vivenciando nossas experiências as vezes nos encontramos com um carrasco interno que não nos permite avançarmos em nossa realização, minando nossa capacidade de agir e nosso florescer.

Quando nos encontramos em um estado de impotência, nos sentimos pequenos e incapazes, como se o mundo fosse nos esmagar mediante das adversidades da vida. Se pararmos para pensar durante um instante nessas sensações esmagadoras vindas de nosso próprio “eu carrasco” interno, muitas vezes iremos perceber que dentro de nosso âmago habita um ser extremamente exigente e insatisfeito.

eu real e ideal

Neste momento precisamos parar tudo, respirar fundo e compreender se de fato as metas, objetivos ou cobranças estabelecidas por nós mesmos estavam de acordo com nossos limites e potenciais internos. Quando fazemos planos mirabolantes, ou nos sobrecarregamos com afazeres demasiados ou demandas internas que não nos pertence, entramos em um grau de exigência onde ficamos incapazes de reconhecer nosso esforço real mediante aos fatos.

A maior origem de nossos sofrimentos e angustias internas encontra-se no conflito de nosso Eu Ideal x Eu Real, ouse seja, aquilo que realmente somos (podemos) ou aquilo que gostaríamos de ser (imaginamos). Quando passamos a compreender a situação real de cada coisa, ampliando esse olhar sobre o nosso “Eu Ideal” x “Eu real”, nos tornamos mais compassivos conosco. Contentar-se consigo mesmo inclui de nós um esforço de auto-reconhecimento do nosso melhor em relação ao nosso real tamanho.

A medida que vamos repassando os fatos que nos frustraram com este pente fino compreensivo, traçamos um novo olhar sobre nós mesmos e nossa própria história. Passamos a nos acalmar e até nos orgulharmos de nós mesmos, pois quando compreendemos que não podemos tudo, mas que podemos muito, começamos a nos sentir mais aliviados mediante ao nosso sofrimento e vamos novamente recuperando nosso ânimo e humor para os próximos desafios que virão, afinal a vida é cíclica e de tempos em tempos estamos nos renovando e nos reinventando.

Com amor,

Tamiris Hegedus.